Rodrigo Almeida_Gabriel_Colle_Enio Schroeder (2) - Graziele_Dietrich_C5NewsPress

Programa Boas Práticas Aeroagrícolas é apresentado na Expodireto

Parceria entre Sebrae e Ibravag prevê investimento de R$ 3,4 milhões em ações focadas na capacitação e na cultura do empreendedorismo. Este é o maior aporte de recursos no setor da aviação agrícola que completa 75 anos no Brasil

Publicado em: 11/03/22, 
às 09:01
, por IBRAVAG

COMPARTILHE:

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Pinterest
Corteva Agriscience

O programa Boas Práticas Aeroagrícolas (BPA), uma parceria entre o Instituto Brasileiro da Aviação Agrícola (Ibravag) e Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae Nacional), com apoio do Sindicato Nacional das Empresas de Aviação Agrícola, foi apresentado nesta quinta-feira (10/03), no Pavilhão Internacional da Expodireto/Cotrijal, em Não-Me-Toque (RS). O convênio prevê o aporte de R$ 3,4 milhões, para o desenvolvimento de ações para a melhoria dos processos administrativos, aprimoramento da segurança operacional e busca de novas tecnologias. Este é o maior investimento no setor nestes seus 75 anos de história no Brasil. 

A apresentação do projeto pelo diretor executivo do Sindag e Ibravag, Gabriel Colle, e pelo coordenador de Projetos do Ibravag, Rodrigo Almeida, contou com a presença do vice-presidente da Cotrijal, Enio Schroeder. Abrindo o evento com transmissão ao vivo pelo canal do YouTube (para assistir na íntegra clique AQUI), o dirigente da Cooperativa Tríticola de Não-Me-Toque, promotora da Expodireto, destacou a importância da aviação agrícola para o agronegócio e dos avanços tecnológicos na produção de grãos. “Temos talvez práticas que jamais imaginávamos, estão sendo uma realidade”, reforçou Schroeder, ao falar sobre a rapidez das inovações no agro. E enfatizou que a aviação agrícola vai ser a grande solução para as lavouras diante das várias aplicações exigidas pela produção: “vamos economizar muito: tanto em produto, quanto em economia de tempo.”

SOLUÇÃO: vice-presidente da Cotrijal, Enio Schroeder, reforçou a importância da aviação agrícola para o agro.
Foto: Graziele Dietrich/C5 NewsPress

EMPREENDEDORISMO

Para contemplar os anseios do mercado, bem como reforçar a preocupação do setor com o tripé da sustentabilidade – econômico, ambiental e social –, o programa Boas Práticas Aeroagrícolas chega comemorando os 75 anos da aviação agrícola no Brasil, como o maior investimento em capacitação e qualificação de toda a sua história. Para Colle, o projeto é uma virada de chave no setor aeroagrícola brasileiro porque vai trabalhar com força a profissionalização do setor e a cultura do empreendedorismo no setor, que reúne a segunda maior frota aeroagrícola do mundo, com 2.432 aeronaves, 291 empresas prestadoras de serviço e 690 operadores privados (fazendeiros, cooperativas que possuem avião agrícola próprio).

Almeida reforçou que a grande entrega do projeto será o selo de Boas Práticas Aeroagrícolas, que será concedido às empresas após auditoria que comprove a adoção do Manual de Boas Práticas. “O programa contempla o Manual de Boas Práticas, Diagnóstico do Setor, estudar a aviação agrícola nos outros países e comunicar não só com o agro, mas com a sociedade em geral. Mostrar que a aviação agrícola é segura”, observou o diretor de Projetos do Ibravag.

A parceria alinhada pelos presidentes do Sebrae, Carlos Melles, e do Ibravag, Júlio Augusto Kämpf, foi assinada em fevereiro, com o propósito de atender pelo menos 80 micros e pequenas empresas da aviação agrícola, em 18 meses. A intenção é envolver em torno de 5,5 mil profissionais indiretamente. Nesse público, encontram-se engenheiros agrônomos, técnicos agrícolas executores, pilotos agrícolas, mecânicos e ajudantes de pistas. Este é o primeiro projeto agrícola do Sistema S em termos nacionais.

PROJETO:  Rodrigo Almeida e Gabriel Colle falaram sobre as ações e como será desenvolvido o projeto que conta com a parceria entre Ibravag e Sebrae, com apoio do Sindag.
Foto: Graziele Dietrich/C5 NewsPress

RECURSOS

Como todos os projetos do Sistema S, o Sebrae repassa 70% do valor. O restante é repassado pela beneficiada – O Sebrae repassará R$ 2,4 milhões e o Ibravag, R$ 1 milhão. Nesse sentido, o Ibravag está em fase de captação de recurso para desenvolver as ações, que contemplam 40 cursos de boas práticas espalhados pelo Brasil, 15 dias de campo, 40 palestras em Faculdades de Agronomia, distribuição de 30 mil cartilhas de Boas Práticas da Aviação Agrícola em todo o Brasil, entre outras.

COMPARTILHE:

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Pinterest
plugins premium WordPress

Este website utiliza cookies para fornecer a melhor experiência aos seus visitantes.