Foto-1-3

Sindag teve audiências na Presidência da República e ministérios

Encontros intermediados pelo senador Luis Carlos Heinze e objetivo da entidade foi viabilizar políticas para aviação agrícola

Publicado em: 31/05/20, 
às 17:08
, por IBRAVAG

COMPARTILHE:

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Pinterest
IAS

O presidente do Sindag, Thiago Magalhães Silva, e o diretor Francisco Dias da Silva estiveram em audiência, em fevereiro, com o ministro-chefe da Secretaria de Governo da Presidência da República, Luiz Eduardo Ramos. Na pauta, uma apresentação do panorama e potencial da aviação agrícola brasileira e o pedido de empenho do governo federal por políticas para o setor. Ainda em janeiro, os dois haviam tido reuniões no Ministério da Economia e na Secretaria de Aviação Civil (SAC), com o mesmo propósito. Os encontros foram intermediados pelo senador Luis Carlos Heinze (PP/RS).

No início do ano, os objetivos foram mais específicos. Um deles foi pedir que o setor aeroagrícola não seja esquecido em uma eventual medida que permita que as usinas vendam etanol diretamente para postos de combustíveis – conforme foi sinalizado pelo Executivo e há um projeto tramitando no Senado. Nessa hipótese, a ideia seria conseguir que a venda fosse liberada também para grandes compradores a granel, no caso, os operadores do setor. “Nossa estimativa é de que isso daria um alívio entre 30 e 60 centavos por litro no gasto com o combustível”, explica o dirigente. O Brasil tem atualmente 29,17% movida de sua frota aeroagrícola movida a etanol.

FINANCIAMENTOS

O outro objetivo das visitas foi solicitar a inclusão empresas do setor em projetos de fomento para aquisição de máquinas por produtores rurais. “Apesar do esforço do Sindag em estreitar o relacionamento com os órgãos governamentais, o cenário da aviação agrícola brasileira é pouco conhecido em muitas instâncias de governo, técnicas ou políticas. Por isso a necessidade de marcarmos presença”, pondera Magalhães.

O presidente do Sindag lembra que, além de ter a segunda maior frota aérea atuando em lavouras no mundo (2.280 aeronaves), o setor trabalha com a possibilidade de pelo menos 200 novos aparelhos até 2028 no País. “Isso tomando por base a expectativa de crescimento da produção de grãos, que deve chegar às 300 milhões de toneladas, segundo o Ministério da Agricultura.” Magalhães ressalta que, além e altamente tecnificada e regulada (única ferramenta para trato de lavoura com legislação própria), a aviação é fundamental para o aumento de produtividade sem avanço da fronteira agrícola.

Reunião na Presidência da República integrou uma série de encontros do sindicato aeroagrícola com na cúpula do governo federal
Crédito: Divulgação/Sindag

COMPARTILHE:

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Pinterest
plugins premium WordPress

Este website utiliza cookies para fornecer a melhor experiência aos seus visitantes.